Intel e Brown University usam IA para recuperação de movimentos de pacientes com paraplegia

spine 2x1

 

Novidade: A Intel junto com a Brown University, uma das mais prestigiadas instituições de ensino do mundo, acabam de anunciar um projeto de Intelligent Spine Interface patrocinado pelo DARPA. A iniciativa usa inteligência artificial (IA) para que vítimas de lesão medular grave possam recuperar seus movimentos e o controle da bexiga.

“Durante minha época de doutorando na Brown University, fiz um estudo para desenvolver uma aplicação que possibilitasse a interface do cérebro com máquinas. Aqui na Intel, estamos combinando nosso conhecimento em IA com as pesquisas de ponta em medicina desenvolvidas na Brown University para resolver um grande problema médico: como reconectar o cérebro e a medula depois de uma lesão medular grave”, explica Naveen Rao, vice-presidente corporativo e diretor geral para o AI Products Group da Intel.

Como funciona: Ao longo do programa de dois anos, os pesquisadores irão registrar sinais motores e sensoriais da medula espinhal e usar redes neurais artificiais para aprender a estimular o local pós-lesão e comunicar comandos motores. Em seguida, cirurgiões do Hospital Rhode Island, próximo à Brown University, implantarão conjuntos de eletrodos nas duas extremidades do local da lesão do paciente, criando um desvio inteligente para permitir que os nervos lesionados se comuniquem em tempo real. Os pesquisadores irão usar os softwares de código aberto Intel AI como ngraph e o acelerador Intel AI, a fim de atender aos requisitos da aplicação em tempo real.

“As lesões na medula têm um impacto enorme na vida do paciente e a forma como os circuitos restantes ao redor da lesão podem ser usados para apoiar a reabilitação e a restauração da função perdida ainda é um mistério. Essa abordagem pioneira dos circuitos da coluna vertebral ao redor da lesão e ação em tempo real com as soluções combinadas de hardware e software de IA da Intel aumenta significativamente nosso conhecimento sobre a medula espinhal e vai acelerar a inovação em relação a novas terapias”, explica David Boston, professor assistente de engenharia na Brown University.

Porque é importante: O corpo humano não é capaz de regenerar fibras nervosas com lesões severas. No caso da lesões graves na medula, os comandos cerebrais não chegam mais aos músculos e isso pode levar à paralisia. Nos EUA, o National Spinal Cord Injury Statistical Center calcula que existam 291.000 pessoas com lesão medular vivendo naquele país, com mais de 17.000 novos casos ao ano. Mais de 30% dessas lesões medulares resultam em tetraplegia completa ou paraplegia.

Informações adicionais: Link para press release da Brown | Intel AI para o bem comum | Inteligência Artificial na Intel

Sobre a Intel:

A Intel (NASDAQ: INTC), líder na indústria de semicondutores, está construindo o futuro orientado ao uso de dados pela computação e telecomunicações como base das inovações. O vasto conhecimento em engenharia da Intel ajuda as empresas a enfrentarem os maiores desafios do mundo, além de proteger, alimentar e interligar bilhões de dispositivos e infraestrutura de um mundo inteligente e integrado - da nuvem à rede, do começo ao fim, conectando tudo que há no meio.
Para mais informações sobre a Intel, acesse:
newsroom.intel.com e intel.com.

Intel e o logo da Intel são marcas registradas da Intel Corporation ou suas subsidiárias nos Estados Unidos e/ou outros países.

*Outros nomes e marcas são de propriedade de seus respectivos donos.