Computação probabilística leva Inteligência Artificial a um novo patamar

Intel amplia investimentos e convida parceiros de pesquisa a contribuir com a próxima geração da tecnologia

Dr. Michael C. MayberryDr. Michael Mayberry

As possibilidades abertas pela Inteligência Artificial nunca foram tão grandes, mas só seremos bem-sucedidos se a tecnologia for capaz de trazer respostas mais inteligentes e mais intuitivas.

Uma das maiores barreiras da Inteligência Artificial hoje é que os dados usados pelos computadores são, em sua maioria, não estruturados e repletos de “ruídos”.

É muito fácil para uma pessoa filtrar esses chamados “dados naturais”. Por exemplo: se você estiver dirigindo um carro em uma rua residencial e vir uma bola rolando na sua frente, você para o carro, assumindo que deve haver uma criança atrás da bola. Hoje, os computadores ainda não são capazes de seguir esse mesmo raciocínio. Eles foram criados para auxiliar humanos em tarefas precisas de produtividade. Fazer com que os computadores lidem com probabilidades de maneira eficiente e em escala é fundamental para que seja possível transformar os sistemas e aplicações atuais em parceiros inteligentes capazes de fazer inferências e tomar decisões.

É por essa razão que a computação probabilística é um dos principais componentes da IA e fundamental para resolver esses desafios. Essa categoria de processamento permitirá que os sistemas do futuro compreendam e façam cálculos considerando as incertezas inerentes aos dados naturais, o que nos permitirá construir computadores com capacidade de entender, prever e tomar decisões.

O que observamos hoje na Intel é um crescimento sem precedentes no número de de aplicações que dependem da análise de dados naturais com ruídos – incluindo informações diferentes e até mesmo conflitantes. Tais aplicações têm como objetivo ajudar as pessoas por meio da oferta de um nível superior de inteligência e conscientização dos ambientes em que operam. Atravessar esse campo minado será essencial para transformar os computadores em agentes inteligentes que podem compreender e agir com base em informações de forma confiável, da mesma forma que as pessoas o fazem.

O campo de pesquisa em computação probabilística não é novo, mas os avanços em processamento de alto desempenho e algoritmos de aprendizagem profunda podem levá-lo a uma nova era. Nos próximos anos, devemos acompanhar o desenvolvimento significativo dos sistemas de Inteligência Artificial em termos de confiabilidade, segurança, facilidade de manutenção e desempenho, incluindo o surgimento de hardware projetado especificamente para computação probabilística. Esses avanços são essenciais para o uso dessas aplicações no mundo real – de casas até cidades inteligentes.

Para acelerar nossas iniciativas em computação probabilística, a Intel está ampliando seus investimentos em pesquisa de computação probabilística e trabalhando com parceiros.

Aliança de pesquisa estratégica da Intel para computação probabilística

Perceber o potencial total da computação probabilística envolve adotar um olhar holístico de vários níveis sobre as tecnologias computacionais. A Intel está extremamente comprometida com a implementação integrada e colaborativa de arquiteturas computacionais emergentes e com uma sólida estratégia de capacitação do ecossistema, convocando a comunidade acadêmica e startups para serem parceiros na tarefa de levar a computação probabilística dos laboratórios para a vida real de várias formas, incluindo aplicações de referência, mitigação de possíveis efeitos contraditórios, estruturas probabilísticas e otimização de software e hardware.

O que vem por aí

Estamos ansiosos para ver as propostas de desenvolvimento da computação probabilística e seguir com as pesquisas que levarão a Inteligência Artificial a um novo patamar. Propostas acadêmicas deverão ser apresentadas até o dia 25 de maio e, dentre elas, vamos selecionar as melhores equipes de pesquisa.

Começamos essa jornada com a computação neuromórfica, cujo objetivo é a compreensão sobre o cérebro humano e os processos computacionais associados. O início da comunidade de pesquisa neuromórfica anunciado em 1º de março também está em um bom caminho, e planejamos seguir expandindo nossa Loihi na nuvem para dar aos pesquisadores acesso a hardware de ponta. A perspectiva é chegar a 100 bilhões de sinapses em um único sistema em 2019.

Além disso, a Intel está trabalhando na decodificação do cérebro e está avançando para próxima fase em neurociência como parte da nossa parceria de pesquisa com a Universidade de Princeton, projeto que nos ajudará a compreender melhor o fluxo da inteligência e da tomada de decisão por meio do nosso trabalho de computação probabilística.

*Dr. Michael (Mike) C. Mayberry é diretor de tecnologia da Intel Corporation. Também é vice-presidente sênior e diretor executivo do Intel Labs.

Sobre a Intel:

A Intel (NASDAQ: INTC), líder na indústria de semicondutores, está construindo o futuro orientado ao uso de dados pela computação e telecomunicações como base das inovações. O vasto conhecimento em engenharia da Intel ajuda as empresas a enfrentarem os maiores desafios do mundo, além de proteger, alimentar e interligar bilhões de dispositivos e infraestrutura de um mundo inteligente e integrado - da nuvem à rede, do começo ao fim, conectando tudo que há no meio.
Para mais informações sobre a Intel, acesse:
newsroom.intel.com e intel.com.

Intel e o logo da Intel são marcas registradas da Intel Corporation ou suas subsidiárias nos Estados Unidos e/ou outros países.

*Outros nomes e marcas são de propriedade de seus respectivos donos.